IconIconIconIconIconIcon

sábado, 23 de março de 2013

Os Croods - CRÍTICA

Não se esconda, viva! Siga o sol, chegue até o amanhã! A nova animação da Dreamworks, Os Croods, chega para conquistar o coração dos pequenos cinéfilos (e dos papais também) com muito humor, um ótimo roteiro e personagens cativantes. Dirigido pelos criadores deSpace Chimps (Kirk De Micco) eComo Treinar Seu Dragão (Chris Sanders), a aventura com ar épico é a primeira animação da DreamWorks distribuída pela Fox.

Parece que será a primeira de muitas, o filme é uma delícia, recheado de elementos que transformam a ida ao cinema em uma grande diversão para todas as idades.

NOTA: 90 (Excelente)
Vivendo em um mundo onde ter medo é igual à sobrevivência, conhecemos uma grande família, Os Croods. Morando em uma caverna, todo dia é uma aventura. Cheios de regras para não correrem riscos, conflitos familiares (desde a idade da pedra) ocorrem o tempo todo principalmente entre o pai e a filha mais velha, que possui um certo ar de liberdade. A força dessa família é a união para conseguir superar os obstáculos. Após ficarem desabrigados, ganham um novo amigo que usa o fogo como aliado, assim são guiados para um mundo novo, cheio de novas criaturas e muita luz.
Colocando os primeiros sapatos, criando uma inusitada maneira de brincar de jogo da velha, fazendo sem querer pipocas gigantes, surfando nas pedras, o primeiro encontro com a chuva, as diferenças entre o viver e o sobreviver é a grande lição que todos vão aprendendo. Adoram contar e ouvir histórias, o que aproximam ainda mais a criançada dos simpáticos personagens que aparecem ao longo da projeção. A importância da ideia, a descoberta do abraço, os shows de marionetes, todos os personagens são especiais, passando ao público todo um carisma que impressiona.
O grande barato é a questão filosófica que é abordada na história do filme. Quando a família resolve mudar as regras que os mantinham na escuridão, somos guiados a uma analogia maravilhosa ao Mito das Cavernas, aquele mesmo narrado pelo famoso pensador no livro VII do clássico A República. Cada cena mostra claramente que através do conhecimento, é possível captar a existência do mundo sensível e do mundo inteligível. Platão para a criançada, um máximo! Louvável!
Há muito tempo não vale tanto a pena ir ao cinema com a criançada. Até os adultos se divertem! Umas das melhoras animações dos últimos tempos, inteligente e emocionante. Bravo!

counter easy hit